bg_gata.jpg
STEPHANIE SILVA

Stephanie Silva, ou simplesmente Ste. Na realidade, nunca vi alguém chamá-la pelo nome inteiro, então é Ste, assim como a Tha, da edição passada, nunca fora chamada de Thais. Inevitável falar de uma sem citar a outra. É como Batman e Robin, arroz e feijão, macarrão e queijo. Uma completa a outra, não à toa, saíram em edições seguidas da Revista TU.

 

Nascida na capital paulista, Ste mudou-se para o interior do estado com quatro anos. "Curti essa vida off loucura até os onze anos. Tive uma infância maravilhosa no interior, no meio do mato", orgulha-se. A vida dela sempre mudou,  como o vento muda de direção, e foi então com a família passar férias no litoral norte, mas as férias se esticaram, por um bom tempo . “Bem mais que um período de férias”, conta aos risos. Mas as oportunidades de trabalho e infraestrutura de estudo  em Ubatuba não facilitaram, então a família inteira mudou-se novamente, desta vez, para a Baixada Santista. E ela rodou pela Baixada e, atualmente, está vivendo em Santos. Estava morando com a Tha Matos, mas com toda instabilidade financeira, devida à pandemia, cada uma voltou para a segurança do lar familiar. Mas já prevê: “Em breve estaremos dividindo o mesmo quadrado novamente. É  bom demais morar com uma amiga tão querida e talentosa”.

Ste chegou a morar na capital, mas não adaptou-se. Confessa: “Ficar longe da praia, para mim, é muito difícil”. E se você pensa que esse bronzeado dela é artificial, está equivocado, isso é cor de praia mesmo! Ste tem cara, jeito e cheiro de praia. Ela respira e transpira areia e mar. E se tivesse que descrevê-la seria isso, uma calma real, serenidade, aquele olhar tranquilo, que se arrebenta com risos espontâneos, como uma mudança de maré. E posando, ela se encontra. Natural. A direção do ensaio é praticamente desnecessária. Conhece o funcionamento do corpo, da sensualidade. Entre uma pose e outra, conta um causo, pára para dar risada, espera o complemento ou corroboração da Tha Matos, que acompanhava o set. 

Embora seja uma modelo sublime, Ste está na luta do trabalho desde cedo. “Entrei no trabalho novinha, numa empresa de eventos musicais com quatorze anos. Com quinze anos já tava trabalhando como vendedora em shopping, e foi ali que aprendi, na marra, a ser comunicativa, pois eu era muito tímida”, conta e continua, “comecei a trabalhar em um consultório médico e aos dezesseis anos eu tinha dois empregos e ainda cursava ensino médio! Maluca, né?”, questiona. “Trabalhei até meus vinte e dois anos no shopping, quando decidi priorizar minha sanidade mental. Fiquei um ano inteiro trabalhando de freela, com altos e baixos. Atualmente, trabalho na cozinha de um restaurante. É punk, mas tem sido um grande aprendizado”, conclui. Aquele estilo praiano mencionado, condiz com os pensamentos de Ste. “Não sou uma pessoa de ambições extremas. Chega uma fase da vida que descanso e sossego valem mais! Óbvio que vou amar se o descanso for com uma vida financeira mais confortável, mas meu sonho mesmo é uma vida no litoral, várias viagens incríveis e meus amigos e familiares realizados”, conclui. Como o movimento do mar e dos grãos de areia da praia, ao sabor do vento, Ste vai levando sua vida. Para onde o vento sopra, ela solta o corpo e deixa o acaso da vida levá-la. Suas aspirações são simples, descanso, amigos, família e sossego. Como um final de semana na praia, como se fossem férias, passando por ela. Ela passa pela vida, tem funcionado assim, não precisa mudar, afinal, ela sabe que amanhã o sol nascerá novamente no horizonte, atrás do mar.

Aquele estilo praiano mencionado, condiz com os pensamentos de Ste. “Não sou uma pessoa de ambições extremas. Chega uma fase da vida que descanso e sossego valem mais! Óbvio que vou amar se o descanso for com uma vida financeira mais confortável, mas meu sonho mesmo é uma vida no litoral, várias viagens incríveis e meus amigos e familiares realizados”, conclui.

 

Como o movimento do mar e dos grãos de areia da praia, ao sabor do vento, Ste vai levando sua vida. Para onde o vento sopra, ela solta o corpo e deixa o acaso da vida levá-la. Suas aspirações são simples, descanso, amigos, família e sossego. Como um final de semana na praia, como se fossem férias, passando por ela. Ela passa pela vida, tem funcionado assim, não precisa mudar, afinal, ela sabe que amanhã o sol nascerá novamente no horizonte, atrás do mar.

© 2016 by Revista TU