bg_gata.jpg
ALINE ORBELLI

Durante a semana ela já me falava o quanto estava ansiosa para a sessão de fotos. Na conversa informal, ou no chat com a equipe, o tempo todo mostrando-se preocupada e ansiosa. Aline Orbelli tem 26 anos, fará 27 logo menos, é santista, morou os três primeiros anos de vida no Guarujá e depois, Santos, para sempre. Ela é assim, perfeccionista, talvez não assuma, mas é. As coisas precisam estar sob controle, sem nenhuma variável rebelde, pois se ela está assumindo o compromisso, terá de ser perfeito. E de cara tu percebe que ela se cobra demais, embora não precise, tá tudo ali, simples e pronto. Uma noite antes da sessão de fotos, trovões, raios e chuva. Ok Aline, nós não temos como controlar tudo, é culpa de São Pedro. Apenas respire. A previsão era de tempo nublado, porém ela deu um jeito de fazer com que aquele domingo amanhecesse com o céu azul e um sol lindo!

Saiu do Uber acelerada, achando que estava atrasada. Esperávamos no posto de gasolina, ali em frente à Santa Casa. Vamos? Vamos! Encontramos uma estradinha arborizada e florida, ali por Cubatão. Nossa história seria ali. Já a história da Lili tem capítulos interessantes. Atualmente está no terceiro ano de Biomedicina, e já planeja a pós graduação em Biomedicina Estética. Porém, antes, fez dois anos e meio de Direito, e foi uma época dura “Foi uma época meio conturbada e difícil pra mim, no final da faculdade tive uma leve depressão, não conseguia levantar da cama para ir estudar, pois eu não tinha tesão nisso, me sentia empurrada... logo me frustrei, pois faltava pouco e eu não amava aquilo”, confessa.  Mas depois se reencontrou “Fiquei dois anos parada, curtindo e trabalhando em dois trampos, pesquisei muito uma área que me identificasse, e achei a área da saúde, Biomedicina”. Para sair da fase de depressão, Aline tratou de buscar o equilíbrio “Tranquei a facul, arranjei mais um trampo que me ocupasse e fizesse tirar uma grana extra, já que eu estava sem estudar e treinava bastante. Mas sempre com muita oração e conexão e cuidando da minha auto estima. Energia é tudo”, divaga e conclui “Sempre reconheci meus estados de espírito. Hoje sei que se algo mexe com minha autoestima é porque não estou bem, mas é de dentro pra fora”. Realmente, energia é tudo.

Ser do signo de capricórnio faz Lili ter vontade de crescer profissionalmente, e realizar-se. “Estou em busca de realização profissional e de concretizar muitos sonhos. Mas confesso que sou extremamente feliz e realizada pela família que tenho, amigos e relacionamento”, comenta e depois completa “Quero ser rica, realizada profissionalmente, com meu apê, meu carro, meu trampo, quem sabe um filho ou filha, em constante evolução espiritual, super conectada com universo e cheia de procedimentos estéticos, e bolada de academia”, conta aos risos. Embora seja focada e perfeccionista, tem lá seus momentos de diversão, sendo a academia algo mais evidente, além de ler, estudar, sair para comer, ficar preguiçosa com o namorado, curtir música eletrônica, pegar uma festinha boa, pelo menos uma vez ao ano (sem pandemia), além de ficar com a família e sair para tomar uns drinks com as amigas.

Além disso tudo, existe a Aline modelo, que posa de forma fantástica. Confessou achar que estava travada no dia nossa sessão, mas vai de encontro com aquilo que falei antes: é uma pessoa que se cobra demais, que quer entregar a perfeição, e a perfeição estava lá, na sessão, em um baita trabalho em equipe. Eu poderia fazer alguma analogia em falar que a Aline não tem filtros, pois ela me pediu as fotos reais no ensaio, sem Photoshop, mas ela tem filtros, é uma moça completamente ponderada, pontual nas falas e assertiva. E diria que é até certo ponto misteriosa, não expõe tanto sua vida. Mas ao mesmo tempo é transparente, o sentimento estará ali, de forma real. Nem sempre se achou interessante, pelo contrário, na infância, se achava orelhuda, magra demais, peluda, e até encarnava papel de menino, quando resolveu atender pelo alter ego de “Matheus”. Foi descobrir sua beleza e encontrar-se como mulher mais tarde, quando os meninos começaram a demonstrar interesse por ela. A fotografia caiu no seu colo ao acaso, uma amiga tinha uma sessão de fotos para fazer de uma marca de calça jeans e não pôde ir, convidou a Aline para cobri-la, e ali, nasceu o embrião de uma modelo. Posou para marcas de roupas de Santos e desde então tem feito trabalhos na área. Acabamos nos cruzando pelo Instagram e essa sessão para a revista TU, foi o nosso terceiro registro fotográfico. Funciona como engrenagem de relógio suiço, tudo bem casadinho, desde a proposta, ideais, produções e pós produção.

 

Não tem como conhecer essa moça e não perceber o quanto é esforçada. Emenda um trabalho com outro, às vezes trabalha horas sem parar, estuda, treina, dedica-se à família, namorado, e sobra tempo para divertir-se. Está no olhar dela a determinação, não é só o olhar que descobri nas fotos, nos ensaios que já fiz com ela, esse olhar diz muita coisa, que ela vai prosperar, conquistará tudo que deseja, só precisa tirar o pé do acelerador eventualmente e nunca, nunca mesmo esquecer de respirar.

© 2016 by Revista TU

Aline Orbelli

por Fernando De Santis