tu_faz_arte.jpg
TU FAZ ARTE
GABI MIRANDA

TU - Você se considera o que? Uma ilustradora, street artist, grafiteira... Se tivesse que colocar no currículo, o que você seria?

 

Gabi - Essa pergunta é engraçada porque já respondi ela de diversas maneiras quando perguntada. Sou formada em arquitetura, mas essa nunca foi uma das profissões que indiquei pra essa pergunta (risos). Eu diria que hoje o que mais me representa é ser Muralista, porém nunca curti me reduzir a uma só vertente de arte e acho que hoje, o que mais se encaixa é: Artista Visual. Que vai da arte no papel ao muro, do pincel e da parede a arte digital.

TU - Como você começou a fazer os seus trabalhos?

 

Gabi - Desenhar e fazer arte é uma das únicas coisas que faço desde criança, sem parar quase todos os dias da minha vida. Começando com desenhar meus desenhos favoritos, a copiar fotos e membros da família em reuniões, passando pra quadros e customizações de camisetas. Aos 15 vendi minhas primeiras peças, artes em camisetas pra amigos e aos 18 pintei meu primeiro mural. Mas até aí, só via a arte com um hobby e acreditava que iria seguir no esporte ou na arquitetura que já estudava na época. Os trabalhos foram evoluindo e com 20 anos, prestes a me formar, decidi que sairia do escritório pra me jogar por 1 ano na arte enquanto terminava a faculdade. As oportunidades foram chegando, e fui então enxergando a arte como possível profissão. A partir dos 22 anos então, que minha carreira de fato começou, trabalhos começaram a ser mais regulares e oportunidades com marcas e em outros estados foram aparecendo. Hoje aos 25, já levei meu trabalho para Bahia, Minas Gerais, Litoral norte de São Paulo, Interior de São Paulo, várias cidades da Baixada Santista, Santa Catarina e Uruguai.

TU - Quais são as suas principais fontes de inspiração?

Gabi - Eu consumo conteúdo visual o dia inteiro, uso bastante redes como Pinterest e Instagram, consumo não só arte, mas muita fotografia também. Grande parte das minhas referências vêm da fotografia, tento sempre ilustrar a minha perspectiva das fotos que vejo. De artista, eu consumo muito artistas muralistas e grafiteiros e fica difícil escolher um só, pois me encanta muito a questão de representar algo em escala, que é um dos desafios que mais amo em meu trabalho. Tenho como referência artistas como: Crânio, Bicicleta sem Freio, Lídia Cao, Astro Graf, Jason Naylor, Jc Ro e vários outros. 

TU - Seguindo você, a gente repara que você faz bastante trabalhos autorais, mas também muita coisa feita para empresas. Existe uma diferença de abordagem? Às vezes rola aquela "limitada"?

Gabi - Na arte, me movo bastante pela possibilidade e necessidade de criar algo especialmente para a identidade daquele cliente ou lugar. Até por isso sempre tento fluir para algo mais orgânico, fugindo do técnico (da reprodução de logomarcas etc). Acho que fazer arte em si, tá muito ligado ao seu prazer naquilo, no processo criativo e na tensão com o resultado. A grana importa, porque a gente não vive numa utopia e tem contas a serem pagas, mas a satisfação do cliente, e do próprio artista em entregar um trampo em que você enxerga que evoluiu e acertou em cheio na alma do cliente é lindo, um prazer que me move, pra criar mais e mais a cada dia.

TU - Você acha que ser mulher te dá uma visão artística diferenciada? 

Gabi - Acho que a visão do artista vai se moldando com o sentimento que ele tem com o mundo e com as coisas que ele pode absorver durante todas suas experiências de vida.

TU - Existe algum lugar dos sonhos que você queria colocar a sua arte?

Gabi - Eu amo a possibilidade de levar minha arte pra longe de casa. Saber que alguém investe e deseja ter minha arte em outra cidade, estado ou país, me deixa motivada e feliz, no mesmo nível que eu ainda acho maluquice. Nunca pensei em um lugar dos sonhos, estou muito feliz com cada destino novo que atinjo na minha caminhada, mas talvez atingir um lugar como Nova York, Califórnia ou Barcelona, que tem a arte bem reconhecida, grandes artistas e galerias, seria atingir um novo nível e me impulsionaria muito.

TU - Finalize essa entrevista com uma "nota pra si"

Gabi - Durma um pouco mais, cansar também é parte do processo. E seja o melhor eco possível para o mundo e para todos a sua volta, toda positividade e gratidão que você emitir vai voltar pra você.

1/1

© 2016 by Revista TU